sexta-feira, 29 de julho de 2011

Leito do esquecimento...

Deitei
no leito do esquecimento.
E em noite fria
me calo.
Desisto
do eterno momento.
Em que fui líquido
escorrido pelo ralo.

Quero nascer
em magnífica lagoa.
E gritar
no inconsciente do pretume.
Se for viver
por esse merecimento.
Que eu me torne
um simples vaga-lume.

A iluminar
com o corpo sem censura.
Quase todos
atos do passado
E decidir
que tamanha amargura
É fim de livro
e que não deve ser marcado

Se hoje
me oponho a pensar.
O que
é o certo e o errado.
Digo firme,
frase curta a me enganar
Sou feliz
com coração despudorado!

Um comentário:

  1. Essa é uma daquelas poesias em que, mais do que ler, temos que sentir.
    "Sou feliz, com o coração despudorado." Quer algo melhor do que ser feliz do jeito que se é!?
    Tão bom... Curti demais.
    Bela poesia.

    ResponderExcluir

Pode meter a boca!