domingo, 7 de agosto de 2011

Dal centro della mia vita venne una grande fontanna

O tempo passa.
Sempre!
Na mesma velocidade.
Constante!
Não quando adolescente.
Impaciente!
Mas muito flutuante.
Num instante.
E olhamos pra vida.
Correndo!
As lembranças batendo.
E doendo!
A saudade desperta.
Esperta!
Não sei nem de onde.
Se esconde...
Por já estar longe de ti.
Parti!
E por pouco te vi.
Aí!
E assim vou andando.
Até quando?
Resposta que não tenho.
Me atenho!
A pensar em você.
E viver.
Um dia depois do outro.
Aos poucos.
Buscando no final feliz.
O centro de meu chafariz!!!

Eu mesmo

4 comentários:

  1. Gostei do ritmo, Daniel. Senti vontade de declamar em voz alta e fiz.
    Perfeito!
    Com relação ao conteúdo em si, me pareceu de uma sabedoria secular. Quem pode com o tempo, não é mesmo?

    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Quanta honra ter alguém declamando o que escrevo. Realmente fico muito contente, mas foi apenas divagações de uma tarde de domingo.

    Baci,

    Dan

    ResponderExcluir
  3. Dan, precisei ler umas três vezes. Não por falta de entendimento, de maneira nenhuma... Mas por vontade de sentir mais, de absorver mais. E o tempo não para, mesmo. Nunca para. As saudades vêm, não tem jeito. As lembranças invadem. E a vida corre mesmo assim. Não tem como parar. O que pode (e deve) ser feito é aproveitar o agora, do melhor modo possível. Sem atropelos, mas sem desperdício. E procurar, sempre, o que faz bem, o que faz feliz, o "centro do chafariz."

    ResponderExcluir

Pode meter a boca!