quarta-feira, 27 de março de 2013

As 12 dúvidas de Barbosa!


Essa prova me foi enviada pelo melhor professor de vida que tenho e tive.

Pensem nas questões sem moralismo, com desprendimento. Após uma reflexão peço que me ajudem a achar uma resposta a qualquer uma delas e principalmente a explicá-la para mim. Pois isso sim seria uma questão de ordem.

Assim como meu mestre, tenho minhas opiniões, mas gostaria de ouvir algumas respostas.
  1. Os partidos políticos são instituições do século XVIII, que podem ter funcionado em algum momento da história (o que hoje duvido), podem existir com a mesma configuração no século XXI? Responda considerando somente os que se pretendem “sérios”, tiremos aqueles que são usados para tão somente empregar pessoas e fazer negócios.
  2. Será que a dinâmica de necessidades, diversidade, informação e discussão pode ser enclausurada em entidades onde pessoas extremamente egocêntricas se reúnem achando que são representantes de alguém sem que esse alguém tenha lhe pedido ou passado procuração para tal?
  3. O que representam? Facções ideológicas? Opções formais de gestão e  das formas de administra a rés pública?
  4. Será que em tempos plurais podemos ficar em uma dicotômica divisão de direita e esquerda? Em manter a visão de uma legenda ao invés de suas opiniões?
  5. Será que a grande revolução não está no acesso aos meios de comunicação, mesmo sabendo de todas as possibilidades de censura e controle que o poder ainda tem desses meios?
  6. Será que a verdadeira postura revolucionaria não é a invasão e a quebra desses protocolos de “segurança”?  Não é acabar com as patentes  tornando o acesso livre a toda produção de software, entendendo-os como um bem público?
  7. Os movimentos sociais que nascem de uma determinada necessidade de uma determinada população não estariam mais habilitados a indicar representantes para participar de algum tipo de conselho dirigente da rés pública, com representantes voluntários nascidos e mantidos pela prática e que representem enquanto possam defender os interesses específicos daqueles que representa, caso contrario o grupo representado coloca outro no lugar? Ou seja, não está na hora de enterrar os partidos políticos, e com eles as câmaras representativas, incluindo as doutas casas e as várias camadas do poder judiciário, e fazer uma nova democracia (se não houver melhor nome) para uma representação de fato dos interesses da população?
  8. Não está na hora de entender que Lucro não combina nem com informação, nem com educação e nem com saúde e nem com serviços públicos que devem ser públicos e jamais devem ser concedidos à grupos econômicos com o Objetivo de Lucro, que é incompatível com as gêneses destes tipos de serviços?
  9. Então, por que discutir sobre a imprensa que não foi e nunca será livre, seja qual for o veiculo e por mais bem intencionados que sejam os profissionais, nunca existirá noticia que não seja manipulada, qualquer que seja o interesse, com boas ou más intenções (e isso depende do ponto de vista), a notícia sempre será versão de um fato e ela sempre carregará o interesse de quem tem o poder sobre a sua veiculação, ou não?
  10. Você acha que uma instituição pode ensinar o que não quer que seja aprendido e muito menos praticado?
  11. E como pode alguém que tem como negócio a doença, querer uma população saudável?
  12. Você acha que pode existir o idealismo de servir, em organizações estruturadas para tomar o poder? 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode meter a boca!