segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Se alguém me copiar...

Se alguém me copiar...
insista,
repita,
discuta,
pergunte,
duvide,
modifique,
multiplique,
adicione,
compartilhe,
excite,
me cite!

Dicotomias Imperfeitas

Tudo
Nada
Superlativos
Diminutivos
Aumentativos
Que travam a alma.

Ser
Ter
Obsessão
Sem sensação
Superstição
Desejo de ouvir

Preto
Branco
Música
Canto
Silêncio
Sentado no banco

Passado
Futuro
Pesado
Pensado
Parado
No fundo do escuro.


 Danibron

domingo, 19 de novembro de 2017

Doente...?!?! Ser, estar...

Não sei se estou ou sou doente.
Pra ser direto sou obeso.
Sim, mórbido, IMC maior que 40.
E penso como gordo, por isso acho que sou e não apenas estou.
Meu peso é uma sanfona, desde 1995 av tendência é engordar.
Nessa época pesava 89Kg.
No ano seguinte entrei na faculdade, mas ainda prática algum tipo de esporte e entre 1996 e 1997 oscilava entre 90kg e 95kg. Em 1998 tenho anotado meu peso, ano em que fui viajar, comecei a usar roupas largas por gosto, tinha uma calça bem larga bege... bermudas largas, moleton e camisetas o mais largo possível, mas não passava dos 100kg. Era uma margem de segurança.
1999 início de vida profissional, alimentação de merda, mas com cabeça de esportista, talvez o metabolismo também. Madrugadas na internet, pois era apenas um pulso, latinas de leite condensado com ovo maltine, farinha láctea adoidado e ticket refeição, já naquela época recebia R$8,50 que dava pra comer um número no MCDonalds ou uns 5 salgados com suco no Seu Augusto.
2000 trabalho externo, comida de hotel, casado, hora pedindo comida delivery, hora serrando nos pais e mesmo quando nasceu a pequena, a comida feita era saudável, a minha era Junkie. Já passava dos 100kg hora ou outra é acha que tudo bem. 2001 bateu 105kg. 2002 chegou nos 110kg. 2003, deu pra maneirar mas ainda era uma beleza bateu nos 115kg, a meta era não passar dois 120kg agora. Em 2004 minhas primeiras incursões em médicos e de cara tomando bola. Até me mantive nos 115 Kg, e em 2005 desci até perto dos 100kg (desde 2000 não tinha pego parecido). Consegui manter em 2006 e 2007, quando retomou o ritmo de crescimento lateral. Ainda encontrava roupas pra mim, ainda era tranquilo calça, camisa e até terno. Cheguei a bater nos 120kg em 2009 e de novo fui pra natação. Desci até os 106kg em 2010, talvez o preço de uma nova depressão, talvez o acompanhamento psicológico, talvez as bolas da Dra. Marilza (que já não surtiram tanto efeito, mas me mantinham).
Só que no último trimestre de 2010 muitas coisas mudaram. Retomei a minha vida, reestabeleci critérios de felicidade (errados ou não, isso não importa), não me limitaria no que gosto de fazer, com quem gosto de estar, como quero isso. É um novo mindset se estabeleceu.
Já disse lá encima que sou "um gordo sem vergonha". Então coisa ruim eu sei fazer e prêmio pra conquistas, comida, brinde pra decepção, comida, justificativas pra tudo (você sabe disso tem consciência disso e não faz nada??? Não sei como fazer).
Em 2011, fui pra 115 kg, em 2012 pra 120kg, em 2013 escala mais um pouco, 125kg o limite já era 130kg (isso seria um absurdo).
2014 não possui disso, mas batida na trave, só que roupas ainda não era problema. Que passou a ser no segundo semestre. Em 2015 cheguei a 130kg e decidi maneiras um pouco, segurei, fui em médico do ver o que era possível ser feito e até a temos bariátrica pesquisei num açougue no Itaim.
Em 2016 fui pro ápice no meio do ano passei dois 140kg e no final já estava em 145kg.
Esse ano a intenção era diminuir, visitei o instituto do Dr. Garrido, decidido a fazer a narrativa, sairia em maio, mas um alento, exercícios físicos aliado a uma tentativa de controlar a comida me deu esperança de 149kg em maio caiu pra 143kg no final de junho 6kg em 2 meses, além de outros benefícios, respiração melhor, aguentava um pique melhor, condição física, mas não durou. E de novo arrumei minhas desculpas.
Bati os 153kg, quando dou sorte como ontem a balança aponta 150 kg cravados, mas a 4 meses não sei o que é baixar. As roupas daí poucas que servem de fato. Já não posso sair de social pois essas não tenho. E me envergonha ir fora de contexto nos lugares, assim como quando sobre um pedaço da barriga pra fora ou a calça jeans rasga. Preciso andar de tênis na maior parte do tempo, pois sapatos me dão fascite plantar. Verrugas na dobras de pele. Suadeira e calor constante. Cadeira especial na praia, no escritório. Até o elevador para quando entro! E a última foram cálculos renais (agressivos).
E o que sei?
Que depende de mim.
E o que faço?
Espero um milagre! Mas sem rezar pois não sei.

As desculpas: não tenho dinheiro, não tenho tempo, não consigo mudar os hábitos, não vou tomar remédio pois volta tudo de novo e blablabla já até cansaram de ouvir.

Mas é isso. Apenas um desabafo e tentar tirar da cabeça de bolachas, bolinhos, leite com rosquinhas agora as 3horas da madrugada.

A meus filhos, minha mulher, meus pais, irmão, família e amigos, peço apenas desculpas por ser tão ignorante e principalmente inconsequente assim.

Daniel

sábado, 11 de novembro de 2017

Tinha uma pedra...

Tinha uma pedra no meio do caminho.
Agora só tem um caninho.
No meio do caminho tinha uma pedra.
Que me deixou bem alerta.
No caminho, no meio, uma pedra tinha.
É senti a maior dor da minha vida.
Uma pedra tinha no caminho, ao meio.
Ela virou pó, pra sair por inteiro.

domingo, 29 de outubro de 2017

Novo blog???

Sim...
mais um.
Agora mais nosso do que meu...

Mas vamos lá...
Em Novembro Novidades!!!

E lá vamos nós!!!

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Ele, ela, dela nele!

Ela é de arrumar.
Ele de manter.
Ele é de sonhar.
Ela é do fazer.
Ela não é de parar.
Nem ele do ter.
Ela é de trabalhar.
Ele é do lazer.
Ele quer ser.
Já ela quer doar.
Ela gosta de ver.
E ele de falar.
Ele segue o luar.
Ela, o sol nascer.
Ela é do querer
Ele é do Amar.

Guerra?

Eu só tirarei sua paz,
com ataques diretos de Amor!
De proteção abraços e cheiros.
Como armas piscadas e beijos!

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Aos meus amigos gays, héteros, trans, bi, tri... Pra Todos!

Não existe cura pro Amor.
Nem um remédio que alivia.
Podem me fazer sentir dor.
Mas perdoo a mão que me batia.

Não tenho vergonha do que sinto.
Falo pro mundo inteiro ouvir.
Abro meu peito e alto grito.
O Amor é para sentir.

Se dois homens um casal for.
Ou uma trans e uma mulher.
Um grupo que vive em poliamor.
O de fora não mete a colher.

Não crie soluções mirabolantes.
Pro seu incômodo "tradicional"
Pois desde os gregos de antes.
Ser gay era natural.

Não crie rótulos, me tire da estante.
Não julgue, nem seja irracional.
Permita viver o desejo do instante.
Aceite o Amor universal!

Repito, sincero, não minto.
Pra todas as mentes pequenas.
Como já diria o Milton.
"Qualquer maneira de Amor vale a pena"

Danibron

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Foi. É. E será!

Foi assim.
A 4 duzias de anos.
Com mais acertos que enganos.
Que os astros conspiraram a favor!

Foi assim.
Que do nada criou-se os planos.
Que com muitos troncos ou barrancos.
Vivem uma grande história de Amor!

É assim.
Que se ensinam e que se aprendem.
Que ainda se cutucam e se divertem.
E que um ao outro se querem bem.

É assim.
Sonhadores e viajantes.
Cuidadores em todos instantes.
Com poderes de bravos mutantes.

E assim será.
Como a noite foi feita prum dia.
Se encontrar em singela harmonia.
Pai ou mãe, vó ou vô, tio ou tia.

E assim será!
Eremita social e mestranda em alegria.
Inteligência exaltada e beleza escondida.
Lia e Claudio, Claudio e Lia.

🎶🎶🎶mandei plantar, folhas de sonhos no jardim do solar🎶🎶🎶

Sussurros ao pé do ouvido.

Diante de tanto alvoroço.
Distante de tudo que tenho.
Despeje Amor em seu moço.
Desloco os lábios e lhe beijo.

De olhar-te dormindo lhe furto.
Sonhos lindos onde ainda me vejo.
E dos meus calores noturnos.
Quero ir saciar meu desejo!

De te ter ao meu lado agradeço.
Esperando você noite e dia.
A saudade que paga o preço.
Aguçando ansiedade e agonia.

Não importando se a casa é vazia.
Nem se de supetão apareço.
Eu te quero sem rima ou poesia.
E me dou a você com apreço!

São dois corpos no mesmo espaço.
Contrariando uma lei milenar.
Já não é perna, bunda ou braço.
Me devoto e o que posso é Amar!

Danibron (06.09.2017)

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

16:50

Es pa Ci to
A side não passa por um espacito.
Mesmo tirando a porta falta um dedito.
A cliente não gosta e logo solta um gritooo!

Es pa Ci to
Tem mais de 20 escadas nesse prediozito.
Já liguei pra base, disse que ta difícil.
Mesmo assim pediram, "faz um esforcitoooo!"

Trabalhar nessas garagem é muito esquisito.
A luz não colabora, depois cliente acha um riscoooo.

Pre Ju í zo...
Se der uma raspada vai fazer um risco.
Passar pela bancada, vou correr o risco.
Mas se não der certo vai ser prejuízooo!

Pre Ju í zo...
Se no dia não tem água perco o serviço.
Outro la retorna pra plugar sem risco.
Se vaza essa merda dá mais prejuízooo!

Já ta no fim do dia tenho dois serviço.
Hoje eu faço hora extra pois já é dez pras cinco.

Dez pras cin co...
Os monitores somem quando é dez pras cinco.
Ponto fica lotado quando é dez pras cinco.
Ninguém me atende quando é dez pras cincoooo.

Dez pras cin co...
Ninguém mais trabalha quando é dez pras cinco.
O celular desliga quando é dez pras cinco.
Ainda tem nóis na rua quando é dez pras cincooo..

To
fu
di
do!!!

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Carta aos paneleiros!

Oi você, paneleiro amigo.
Manifestante de domingo.
Já está convencido?
Que não era bem aquilo.
E que manobraram você?

Sei que é muito difícil.
Que você se diz convencido.
Que foi melhor ela ter saído.
Pois todo mundo é bandido.
Como você viu na TV.

Agora, você vê perigo
Acha delator, do povo, inimigo.
Não vê problema em ser extorquido.
Desde que proteja os queridos.
E diz que não quer nem saber.

Pois é golpista enrustido.
Pedalada não é mais proibido
Os decretos provaram-se mitos
Os ministros estão todos fugindo.
Todo mundo a se esconder.

Os delegados foram diminuindo.
A operação acabou se extinguindo.
Sem provas mas convencidos.
E quem tem é julgado por amigo.
Só vejo motivo a temer.

Fora Temer!
DIRETAS

Bagunceiro ou Libertário?

Eu não acho que sou bagunceiro, apenas dou liberdade para minhas coisas escolherem onde querem ficar!

quarta-feira, 21 de junho de 2017

A espera da viagem...

Você não é avaliado pelo o que você é ou fez.
Não conseguem e não acham possível te avaliar pelos resultados e conquistas.
Para o mundo você é o que você aparenta ser, o que você mostra naquele tempo e nas suas redes sociais.

Você não receberá justiça quando se sentir enganado, ludibriado, atingido...
Você receberá a lei. E aprenderá que ela é feita com o viés do mais forte, do mais poderoso e do mais endinheirado (que é o substrato do poder), então não espere justiça espere legalidade, coisas as vezes até opostas.

Mas o pior mesmo é achar que você será feliz. Tem gente que corre para alcançar a felicidade e não entende (e aparentemente nunca entenderá) que a felicidade é um estado de espírito, um momento que passa e mesmo que quando este momento for repetido de forma idêntica muito provavelmente não trará o mesmo resultado. Isso porque você já não será o mesmo da primeira vez. E grandes chances de micro-frustracoes, que afligiram sua confiança.

Igualmente é o Amor, a infelicidade, a tristeza e todos os sentimentos que vejo aqui.

Muitos tentam incutir nas pessoas, um mundo binário, ser ou não ser, pior, ter ou não ter (impossível não lembrar da propaganda da tesourinha, "eu tenho você não tem"...),  apenas para controlar melhor a manada. Te fazem acreditar que as diferenças são importantes, de cores, de valores, de conhecimento, de entendimento... depois lutam para ter igualdade. E quase sempre apontando o que é pior e não o que é melhor ou suficiente.

Confundimos o urgente com o importante. Criamos superlativos para ser muito mais ou bem menos de coisas que simplesmente são.

Vocês, humanos, que aqui habitam, são estranhos.
Se acham importantes e donos desse mundo.

Espero em breve conseguir partir, espero só curarem meus peixes voadores interplanetarios, arrumarem pedra sabão o suficiente para levarmos daqui que eu deixo esse lugar. Parto com a dor de ter desaprendido o que é harmonia e paz!

Beijos, abraços, língua e mãos!!!

Danibron

terça-feira, 20 de junho de 2017

Onde o abacaxi encontra o cego de bicicleta em busca de bauxita.

Me encontro entre quatro paredes.
Viver já não é uma alegria.
Estou perdido entre redes.
Nem vivo, só passo os dias.
Será que alguém ouve minha prece.
Outrem que não seja do além.
Parece que tudo padece.
A espera de ter algum bem.
Enquanto a cabeça adoece.
Me sinto perdido aqui.
Vontade de ir, logo cresce.
Não fico pois posso sumir.
Enquanto água cai no meu rosto.
Desgosto de não mais saber.
Se quero sentir no teu gosto.
A farsa, que esconde o prazer.
De tanto pensar sobre os dias.
Que estive tão longe daqui.
Me trazem ainda mais agonia.
De nunca mais lhe sentir.
No barro andarei macambúzio.
Rastejando muito devagar.
Tão longe e perdido em abusos.
Pregando o que não sei pagar.
O som que cá ouço destoa.
Gritos fortes, de um filme de terror.
Quem sabe o que sinto também doa.
Na pele de seu senhor.
Agora paro.
Saio.
Levanto.
E me vou!

Eu mesmo, hoje!

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Serve?

Cada um deita na cama que lhe cabe.
Sabe a dor que mais sofre.
Cada um deveria seguir o que lhe é prioritário.
E também aceitar que ninguém é igual.

Cada um tem um ritmo.
Cada um tem um humor.
Cada um tem uma necessidade.
Uma vontade, um sonho.

Cada um tem um desejo a realizar.
Cada um precisa de cuidados diferentes de outros.
Solicita um nível de atenção.
Tem ações individuais.

Cada um julga o outro pela suas regras.
Cada um com a sua moral.
Cada um com sua ética.
Cada um com sua corrupção.

E pra viver em sociedade?
Cada um tem que se cortar, se podar, se aparar, se dividir, se limitar...
Cada um se esconde como pode.
No cansaço.
Na barba.
Na preguiça.
Na arrogância.
Na imbecilidade que lhe é propícia.

Fodam-se cada um que leu isso.
Foda-se quem escreveu!

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Paquímetro pro Amor?

Amor, não se mede como o tempo.
Amor, não se mede com quantas vezes se diz eu te Amo.
Amor, não se mede com tamanho ou valor de presente.
Amor se sente e o que sinto por você não tem limites.

Amor não morre, não acaba, não fica fraco.
Amar é resoluto. É binário. É sim ou não!
Não existe "meio Amar", nem "já Amei um dia...".
Sabe que será eterno e que dura (não enquanto dure)

Quem Ama, Ama e será perene!

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Você partiu pra instalação...

Você partiu pra instalação, para a instalação.
Mas esqueceu as ferramentas, não, não
Agora vai sobrar, então
Pra transferir o seu esquema.
Pra outro neguim...

Você partiu pra instalação, de uma televisão.
E seu scanner deu problema, não, não
E agora vai sobrar, então.
Pro supervisor levar o esquema.
Lá no Itaim

Se tu num põe nem pantufa
E nem fala por favor.
Vai tirar um REC zero
E ficar de chororô.

Se na garagem acelera.
Lá na rua é um terror.
Toma multa, paga em dobro
E prepara o caô

VVocê partiu pra instalação, para a instalação.
Mas esqueceu as ferramentas, não, não
Agora vai sobrar, então
Pra transferir o seu esquema.
Pra outro neguim...

Você partiu pra instalação, de uma televisão.
E seu scanner deu problema, não, não
E agora vai sobrar, então.
Pro supervisor levar o esquema.
Lá no Itaim

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Musical da Instalação!

Primeiro vamos ao contexto.
Dizem por ai, que o serviço vendido pela minha equipe não tem agregado valor, então resolvemos atuar e a primeira demonstração é o Musical que os instaladores encenarão caso a/o cliente goste de musicais.

Então um pouquinho do nosso trabalho por aqui...

Musical Instalação

Ato I - Abordagem
- Instalador: "Bom dia, minha senhora, o meu nome é Guto, sou da Fast Shop e vim instalar o seu produto"
- Auxiliar: "Olá, muito bom dia, a senhora nos dá licença, de colocar nossas pantufas pra adentrar sua residência"
- Instalador: "Esse é o Valdevino, meu auxiliar, explicaremos os procedimentos, que iremos realizar."
- Instalador: "Primeiro nos diga onde... será a instalação, depois onde está o produto, para verificação"
- Instalador: "Definiremos a altura e a posição, e esperamos da senhora uma aprovação"
- Auxiliar: "Com muito cuidado posicionarei nossas ferramentas no tapete, esperamos que seja do agrado e depois que muito aproveite"
- Instalador: "Após a instalação, iremos orientar, como faz para esta belezura funcionar"

Ato II - Execução
- Instalador: "Mas que bom produto, de muita tecnologia. Até parece fruto, de graça ou de magia"
- Auxiliar: "Nenhuma avaria, também nenhum riscado, a tela está lisinha o controle aqui do lado"
- Instalador: "Está bom nessa altura, fica do seu conforto, centralizarei com o painel, pois o teto parece estr torto".
- Auxiliar: "Está aqui sua furadeira, as buchas e o parafuso, seguimos essa sequencia, pra não ficar confuso"
- Instalador: "Por favor nos diga agora, qual a senha pra conexão, já não tem mais demora, iniciaremos agora a orientação"

Ato III - Orientação
- Instalador: "Falando com o Controle, pedimos um musical, mas olha que interessante 'Instalador Sensacional'"
- Auxiliar: "Conheço essa peça, parece muito interessante, esses dois imitarão o que fazemos a todo instantes"
- Instalador (bem baixinho, apenas explicando para o auxilar enquanto a cliente vê o que acabou de acontecer em sua TV, como uma espécie de loop infinito): "Silêncio, entre no clima, preste muita atenção, esse é o clima do marketing de sensação"
- Instalador: "Muito obrigado pela oportunidade, de nos deixar instalar, um produto de qualidade no conforto de seu lar".
- Instalador: "Assine nosso relatório e te aviso de antemão, receberás em seu e-mail nossa pesquisa de satisfação".
- Auxiliar: "Se gostou do nosso serviço a resposta vai nos alegrar, se faltou alguma coisa, escreva, vamos melhorar".

E tenha um bom dia...

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Cirurgia Bariátrica?!?!?!

Resolvi fazer A cirurgia bariátrica, do meu jeito. Uma cirurgia espiritual.

A dois dias fiz uma série de exercícios com um profissional, que entendeu minha situação e ajuda com exercícios específicos, não monótonos e prazerosos. Exercícios ditos funcionais.

E não pra minha surpresa, senti dores, por não apenas um, mas dois dias (ainda sinto dores agora) e redescobri músculos adormecidos e que estão em uma tenra e generosa camada de gordura.

É isso, não pretendo mudar meu corpo, alterar meu chi, forçar um downgrade no corpo para superaquecer o processamento e criar dumps propositais, boots de sistema que podem uma hora ou outra não reiniciar mais por conta da mudança.

Não quero perder um dos maiores prazeres que sinto que é comer, sei que como errado e esse talvez seja o passo mais difícil, mas como poderia largar purê de batatas e minhas batatas em geral, como posso deixar de lado lanches e seu mais conhecido invólucro os pães. Como deixar de comer uma boa massa, um filézão, frango frito??? Não dá, prefiro o desafio de exercitar-me.

Então é isso, escrevo essas linha agora que me parece que meu professor me dará o cano no segundo dia, mas não desanimarei. Da próxima venho de fone e vou caminha 40 minutos no parque em substituição.

Voltamos a qualquer momento!

Dan

quinta-feira, 2 de março de 2017

... mais definições

O Amor não pode ser discreto.
Não é só carinho e afeto.
Precisa ser verdadeiro, direto.
Precisa ser sólido, firme, concreto...

É unidirecional.
Mas quando recíproco,
fica completo!

É unidimensional.
Mas no 3D do seu corpo,
me desperto!

Permeia ambientes do chão ao teto.
A certeza segura de um amuleto.
Te livra da angústia por ser seleto.
Cuidado constante de vô com neto.

É indivisível.
Incalculável.
Patético!

É anamórfico,
Disrítmico.
Poético!

O Amor é profundo.
Mesmo pra quem não nada!
Deixa você sair do mundo.
Mesmo parada!

Te faz perder a cabeça.
Perde o caminho, esquece a estrada.
Te faz tomar decisões sozinho.
Na maior encruzilhada.

É vibrante.
Lancinante,
pungente!

Te deixa febril.
Absorto,
doente!

Mas também te cura.
Como sorvete em calda quente.
Mesmo broncas duras.
Te ensinam e deixam contente.

A Amor é tudo.
Sem Amor, nada.
Amor não se compra.
Nem se paga!

É isso!

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Meta sem base

Te dei um REC quase dez.
E umas metas sem noção!
Destrui a sua equipe.
E te cobro coesão.
Te pedi mil documentos.
Só pra poder te ferrar.
ahhh que eu nunca vou olhaaar...

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

As vezes bate aquela saudade...

De ter eles do meu lado.
De só parar na porta pra vê-los dormir.
De perceber que estão respirando.
De medir o tamanho deles com o que ainda resta de cama.
Aquela saudade de quando você ouve algo e quer correr pra contar.
De quando assiste um filme é quer recomendar.
De dar colo, de fazer um carinho.
De tirar todas as preocupações deles, bater no peito e dizer seu pai sempre estará aqui pra vocês.
Bate aquela saudade de comer escondido juntos.
De levantar para ver se está coberto.
De buscar água de madrugada, reclamando, mas buscar.
De preparar o susto e esquecer de fazer Bú.
Aquela saudade que se mata a qualquer hora.
E mesmo fazendo dois dias é aquela mesma que dói no peito.
Por dar liberdade pra não ligar a toda e qualquer hora.
Mas deixa a aflição pra saber se está tudo bem.
Sempre bate a saudade. As vezes mais. Outras que não dá pra aguentar...
Filhos, eu Amo vocês!